A fuga do padrão como padrão

A fuga do padrão como padrão

Indo direto ao ponto: não torne quebrar padrões o seu padrão. Não deixe de fazer coisas que gosta por achar que de alguma forma elas te fazem igual a milhões de outras pessoas. Não fazem. Só somos medíocres se temos pensamentos medíocres. Não tem nada a ver com se usamos um par de sandálias que estão na moda e achamos bonito ou não.

Eu fiz isso por um tempo, não usava coisas que estavam sendo usadas por “todomundo” só porque “todomundo” estava usando. Pior que as vezes aquele objeto combinava comigo e eu achava interessante, mas o vetava só porque estava em alta. Até que percebi que caí no mesmo buraco do qual tinha acabado de sair.

Antes sentia que algumas situações me eram impostas por ser o que mais aparecia (vulgo moda). Meu cabelo deveria ser assim e eu devia vestir aquilo. Me livrei disso. Certo, mas passei a repudiar tudo que remetesse à ideia que antes me oprimia. Meu erro foi achar que liberdade era não ceder ao padrão, quando na verdade a liberdade era fazer escolhas próprias. Isso independe de elas estarem ou não eu algum tipo de padrão.

Minhas correntes não se quebraram ao parar de alisar ao cabelo, mas evaporaram quando eu escolhi por mim e não pelo que me diziam. Independente de qual foi minha escolha. Aí a ficha caiu. Posso fazer uma revolução estética usando batom amarelo, vermelho, nude ou manteiga de cacau! Por que a única quebra de padrão necessária é ser verdade – e se sentir confortável assim – em um mundo de mentira com pensamentos que exigem que entremos em fôrmas, mesmo que ninguém nunca se encaixe nelas.

O padrão vigente é o de cópias, então por que estamos tentando quebra-lo parando de copiar um estilo para copiar outro menos comum? Por que fazemos transição se nos decepcionamos quando o cacho cresce 4 e não 3 ou 2 depois do big shop? Não faz sentido. Saímos de uma caixa e entramos em outra, só que em formato de mola. O único opositor desse padrão é a originalidade. Onde estão as pessoas dispostas a serem elas mesmas independente de quem elas são?

About

Jade Katlen

Sou alguém que vive de mudanças (de ares, de cabelos, de ideias) e que não perde a essência. Gosto também conhecer pessoas e lugares novos, amo calor e frio na mesma proporção e palavras um pouco mais. Ah, e meus pensamentos, assim como meus cabelos, são muito bagunçados.

Related Posts
0 comments

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.