Pesquisar

Autoestima e Transição Capilar

Eu já falei sobre autoestima no post Em busca da autoestima, aceitação e amor próprio, falei um pouquinho sobre como recuperar a autoestima e o amor próprio e sobre a importância de não se submeter a padrões.

  • Autoestima e Transição Capilar

Durante a transição capilar, a autoestima de muitas pessoas diminuem. Não é só a questão estética que influencia, mas todo o processo que envolve a aceitação do cabelo natural. Como já falei muitas vezes, nessa fase, nossa cabeça geralmente muda muito. E nem todas as pessoas sabem lidar com isso.

A preocupação com a opinião dos outros, o medo de não conseguir se adaptar ao cabelo natural, os comentários maldosos, as duas texturas, etc. São coisas que detonam a nossa autoestima e fazem com que muita gente desista ou passe longe da transição.

utoestima e transição capilar

Mas o que muitas delas não sabem, é que a transição capilar nos ajuda a perceber características e enxergar o mundo de maneira completamente diferente. Na minha opinião, isso é muito mais importante do que voltar a “ter cachos ou crespo”, e é por isso que para mim, a transição capilar foi tão marcante. Falei isso no post Transição capilar – Desconstruindo padrões.

Ou seja, prepare-se para entrar na transição capilar sabendo que esta fase, poderá te transformar por completo. Mas isso só será possível se você entender que o amor próprio deve vir em primeiro lugar e que você é linda do jeito que é.

É muito mais do que “parar de alisar o cabelo”. É uma maneira de aprender a respeitar a si mesma, é dar um tapa na cara da sociedade e dizer: “_ Eu não quero mais me importar com padrões de beleza, quero ser eu mesma e me amar por isso!”, é se libertar por completo, sem cair na ditadura dos cachos perfeitos ou do natural. Afinal, vai ficar bem claro pra você, que tudo isso, não é só cabelo!

  • Não pare por ai – Empoderamento feminino e transição capilar

Autoestima e transição capilar

Como disse no vídeo, algumas pessoas acham exagero relacionar a transição capilar ao empoderamento feminino.

Antes de qualquer coisa, é preciso deixar bem claro, que esse empoderamento vai muito além da estética capilar. Principalmente se tratando do empoderamento feminino negro.

Você não precisa ter o cabelo natural para se empoderar, não precisa e nem deve disseminar  a ditadura do cabelo natural. Mas assim como eu, muitas meninas e mulheres, encontraram na transição, um “botão de start”, para entender e descobrir outros discursos que também tentam desconstruir padrões que nos aprisionam.

Entender que você pode se sentir linda com seu cabelo natural, dá margem para perceber, que se pode se livrar “da química ou da chapinha”, também pode buscar outras maneiras para se amar mais e se valorizar como mulher.

Por isso, não pare aí!Amplie seus horizontes, busque maneiras de se fortalecer e transmita isso para outras pessoas, afinal o empoderamento começa individualmente, mas precisa ser propagado de forma coletiva.

  • Aceita que dói menos!

Isso deveria ser meu lema de vida, sério! Serve pra tudo. Não adianta tentar ser o que não é, nem investir na busca incessante por padrões que incluem características que não temos.

ACEITAÇÃO! Essa deve ser a palavra para definir a transição capilar. O resto vem com tempo. Por que o cabelo cresce, e vai ficar lindo se você cuidar direitinho dele. Mas a autoestima, precisa ser exercitada. E tudo isso, precisa ter um propósito maior. Por isso…

autoestima e transição capilar

desventuras de uma cacheada

Esperam que tenham gostado do post. Como a transição influenciou na sua autoestima? Quero saber a história de vocês. Conta pra mim aqui nos comentários!

Ster Nascimento

Ster Nascimento, 22 anos. Gosto do meu cabelo cacheado, do meu descontrole sem pé nem cabeça, do meu 8 ou 80 e da minha zarreza perceptível. As vezes sou um amor de pessoa.

7Comments
  1. Michele

    17 de Janeiro de 2017 19:19

    Eu adoro cabelos nesse estilo, mas não consigo deixar o meu assim. Com suas dicas vou tentar

  2. Milena Santos (12 anos)

    25 de Março de 2016 02:28

    Olá Ster.
    Amei as dicas, vou olhar o canal de vocês quando der tempo. Se não tiver ainda no canal pode fazer hidratação com azeite de dendê? Grata pela atenção.

    • Ster Nascimento

      25 de Março de 2016 15:55

      Oi Milena, que bom que gostou das dicas. Eu tenho canal sim. Segue o link: bit.ly/1p8NpvI . Muito obrigada por comentar 🙂

  3. Isabela

    21 de Fevereiro de 2016 18:13

    Que lindo o post, o vídeo e o seu cabelo <3
    Eu amo entrar no blog e ver sobre transição capilar, acho incrível ver esse tabu que esta sendo quebrado de que só cabelo liso que presta é ridículo isso, cabelo enrolado, cacheado é tão bonito quanto qualquer outro, se você nasceu com ele é porque ele combina com você e não precisa mudar nem colocar um monte de química porque a sociedade acha que tal jeito é melhor. É lindo ver a galera se incentivando ao natural!

    Xoxo :*
    http://www.isabelamingues.blogspot.com.br

    • Ster Nascimento

      22 de Fevereiro de 2016 01:29

      Que liiiiiiiiiiiiiiiinda! Muito obrigada. <3 <3 <3

  4. Ana Carolina

    19 de Fevereiro de 2016 23:27

    Oi Ster, tudo bem? Adorei ter achado o seu blog (acompanho o seu trabalho desde o Cacheia!)e gostaria de te parabenizar, está otimo! Devido a vocês decidi deixar meu cabelo voltar ao normal depois de uma infância e adolescência de negação dos meus cabelos cacheados (já estou a 7 meses em transição e tenho me apaixonado aos poucos, mas cada vez mais pelo meu cabelo e conhecendo ele, pois nem me lembrava de como ele era…. ). Gostaria de fazer uma sugestão quanto a uma dúvida sobre cabelos cacheados quanto ao uso de shampoo e condicionadores à seco… ganhei estes 2 produtos de uma amiga, mas realmente não sei se esses produtos fazem bem e podem ser utilizados em cabelos cacheados! Um grande abraço! !!

    • Ster Nascimento

      20 de Fevereiro de 2016 13:06

      Oi Ana, que liiinda! Muito obrigada. Que booom que me achou *——*. Vou anotar sua sugestão e pesquisar sobre o assunto, ta? Parabéns pela transição! <3 <3

Deixe uma resposta