fbpx

9 VERDADES sobre o CABELO CRESPO

Oi povo bonito! Tudo bem com vocês? O post de hoje é de utilidade pública! Vamos falar sobre CABELO CRESPO.

“_Uai, mas você não vive falando sobre isso por aqui?”. Sim, a gente fala muito sobre cuidados com o cabelo, autoestima, aceitação, transição capilar… mas o post de hoje é um pouco mais específico, é claro que cabe também para quem tem cabelos cacheados, mas é direcionado principalmente para as agressões sofridas diariamente por quem tem cabelos tipo 4, que é uma textura crespa e não forma cachos, mais conhecida como “textura afro”.

Antes de tudo, é importante que vocês entendam uma coisa:

O preconceito sofrido por quem tem cabelo cacheado não se compara ao sofrido por quem tem texturas mais crespas, como o tipo 4B e 4C.

As pessoas até estão aprendendo a aceitar o cabelo cacheado (desde que esteja dentro do “padrão estabelecido”, tenha definição e volume controlado), mas quando o assunto é cabelo crespo, a repercussão negativa é assustadora.

Prova disso é a polêmica gerada a partir do caso da Yasmin (@y4sfelix), que falou no programa Encontro da Rede Globo, sobre as dificuldades que teve em adentrar ao mercado de trabalho por causa do seu cabelo.

Yasmin não conseguiu emprego por conta do cabelo

Ler os comentários, memes e publicações que surgiram a partir disso me deixou muito incomodada, triste mesmo! (Esse tipo de coisa faz a gente refletir sobre nossas próprias situações, e como muitas vezes aguentamos calados as agressões que sofremos diariamente, seja por causa do nosso cabelo, o lugar que nascemos, a cor da nossa pele ou características físicas.).

Uma das postagens acerca do assunto, me deixou perplexa. O texto comparava o cabelo crespo a acessórios como boné, piercings, tatuagens e etc. E afirmava que se uma pessoa quisesse concorrer a vagas de emprego, ela deveria se adequar aos padrões da empresa.

Esse foi o texto e a minha opinião sobre ele:

Bom, vale destacar uma parte do texto que postei lá no Facebook:

É engraçado como as empresas se adaptam tão facilmente quando se trata de cabelos lisos. É só fazer um coque, prender, usar uma touca. E ao contrário do que muita gente pensa, o cabelo crespo também é muito versátil e PODE SE ADAPTAR ÀS NORMAS DA EMPRESA, caso haja alguma (também dá pra fazer coque, prender, usar touca. E ah, num é duro não, tá!?) e NÃO IMPEDE DE FORMA ALGUMA uma pessoa de trabalhar. Independente da profissão. – Vale lembrar que a estrutura do cabelo não deve ser um critério de avaliação, assim como a cor da pele ou qualquer outra característica natural.

Logo, a questão não é um funcionário se adaptar às normas da empresa, e sim, porque a textura do cabelo de alguém “deve” ser vista como critério de avaliação na hora da entrevista de emprego. Quer as pessoas aceitem ou não, esse tipo de coisa é só mais uma forma de reprodução do racismo que está enraizado, mas que as pessoas preferem acreditar que não.

Ah, mas o que CABELO CRESPO tem a ver com RACISMO? Dá uma olhadinha nesses posts aqui:

O que cabelo crespo tem a ver com racismo? (Geledés)

A dor do racismo sobre nossos cabelos (Blogueiras Negras)

Entendeu? Então agora vamos prosseguir e conferir 9 VERDADES SOBRE O CABELO CRESPO que você PRECISA saber já!

Este slideshow necessita de JavaScript.

Bom gente, no fim, a resposta para isso é: EMPATIA!

Você não precisa gostar de tudo o que vê ou sair elogiando características que você não se identifica. Mas o RESPEITO é essencial e você não precisa ofender ou agredir alguém só porque “na sua opinião” ela não se enquadra no mesmo padrão de beleza que a maioria impõe.

Bjs,

Ster Nacimento

Facebook Comments

Ster Nascimento, 22 anos. Gosto do meu cabelo cacheado, do meu descontrole sem pé nem cabeça, do meu 8 ou 80 e da minha zarreza perceptível. As vezes sou um amor de pessoa.

Deixe uma resposta